sexta-feira, 12 de março de 2010

Uma receita para voltar tudo ao normal.


Esta tudo muito estranho, não sei bem o que é, ainda não consigo me acostumar com a perda de minha vó, éramos muito ligados, eu sempre a levava para tomar sorvete, comer bolo, é estranho não sei não, foram mais de 10 anos de convivência quase que diária, eu sempre tive a mania de quando não achar um telefone de alguém da família ligar para ela, semana passada mesmo fui procurar o telefone de um tio meu, não achei, e quando menos percebi já tava com o telefone na mão discando o numero do telefona da casa dela, ainda não me acostumei e acho que tão cedo não irei. Meu pai esta morando na casa dela até resolver todos os problemas, eu vou lá mas é mais por obrigação quando entro, vejo aquela cadeira da sala vazia, a cama sempre feita como se ela fosse se deitar a qualquer hora, a televisão, os quadros, o guarda-roupa, velho é uma merda... Essa semana me peguei pensando o que eu poderia fazer para tentar melhorar isso, não sei. Não me vem mais a cabeça idéias e vontades. Minha avó sempre era uma pessoa muito risonha, muito alegre, cantora, poeta, pintora... Eram qualidades inigualáveis, era difícil ver minha avó triste, e quando estava uma visita sempre a animava, ela adorava visitas, tanto fazê-las quanto recebê-las. Como em toda boa família tradicional tinha suas discórdias e suas alegrias, no final da sua jornada ouve mais discórdias do que alegrias, eu não entendia, meu avô nunca foi assim, minha avó nunca foi assim e como pode os seus parentes agirem dessa forma? Minha vó infelizmente não teve a decência de poder morrer em sua casa rodeada de seus objetos pessoais e suas lembranças, com seus filhos e netos se pegando, se agarrando e ali rodeando-a para ela poder dar um ultimo suspiro, não, ela foi levada ao hospital, sobre protesto do meu pai que foi o único a observar que já estava na hora e que tínhamos que deixar era ela descansar ali mesmo e não fazer ela passar por esse estresse nos seus minutos finais, queriam porque queriam prolongar a vida dela, tentar fazer ela ficar mais um tempo, mas eu pergunto a todos que lá estavam, pra quê? Ela tinha 92 anos, viveu demais e viveu muito bem, deixa-se ela descansar, mas não ela tem que estar ali do lado de uma forma tosca, sofrendo, agonizando, mas viva para aqueles que fizeram suas merdas poderem tentar em pouco tempo se redimir, não meu camarada, não adianta chorar não, não adianta ir um dia antes de ela morrer pegar na mão dela e chorar sabendo que fez coisas que poderiam ter sido evitadas, mas infelizmente cada um acha que fez o certo e eu digo, não teve um ali que tivesse feito o certo da maneira certa, fizeram da sua maneira achando que estavam fazendo da maneira certa. Mas mesmo assim ela foi, como poderia ela não ir? Não podia mais andar nem falar, e foi "obrigada" a passar por tudo isso e veio a falecer em um local estranho, frio e sombrio. Vi minha vó ser colocada num necrotério bizarro e ficar lá até o dia seguinte enquanto os demais discutiam quem iria e quem ficava, pelo amor de deus pra que tudo isso??? Minha vó era amada por todos e odiada por ninguém, no dia do seu enterro o dia estava lindo, um sol radiante e um céu azul celeste. Engraçado, meu avô quando morreu choveu, meu pai conta que alguns irmãos e irmãs dela também quando morreram e foram enterrados, choveu, mas ela não, ela era especial era uma pessoa que a muito já era esperada e então tinha que ter uma recepção calorosa, pois o dia estava lindo. Cantou-se músicas delas, recitou-se poesias. Mas o sentimento mais forte, como não poderia deixar de ser, foi mesmo a saudade, meu pai não teve condições de ir e como eu já disse a muitos e repito aqui, acho eu que se meu pai fosse eu estaria enterrando minha vó no sábado e meu pai no domingo. A ligação dos dois era fortíssima. Um texto grande que provavelmente serei coagido a retirá-lo, mas não tirarei. Comecei esse texto com o titulo (uma receita para voltar tudo ao normal), mas me deixei levar pelas fortes emoções de querer falar isso na cara de alguns e de outros, mas sem poder. Vou tocar minha vida pela frente, agora mais do que nunca tenho que ser forte pois sei que minha família se desfez grande parte depois da morte de minha avó, quem mantinha essa porra todo aqui era ela, mas mesmo assim ninguém enxergava nem enxerga isso. É uma pena...

2 comentários:

  1. Nao vou comentar nada meu amigo, nao tenho esse direito, más te digo que ler seu texto me fez refletir e pensar sobre minhas manias de esquecer meus parentes. Tentarei dar valor a eles enquanto ainda estao por aqui, ou enquanto ainda estou por aqui.

    ResponderExcluir
  2. Estranho passei por tudo isso que vc passou ha 9 anos atras,sabe a unica coisa que tenho pra te dizer é que a vida é assim as familias são todas parecidas pra vc ter uma ideia ate hoje não conseguiram vender a fazenda da minha vó.E hoje ja quase nem falam dela só na fazenda.
    Pra nós que nos apegamos em outras coisas é mais dificil me lembro que chorei quando ela se foi mas sabe ela ja havia me dito varias vezes que ja queria ir então depois da perda ,do susto pois na epoca estava na faculdade no rio e tive que correr pra minas,foi um alivio pois no velorio todos vinham chorando dizendo"ela te criou" ou "nossa tadinha de vc","como ela vai fazer falta"eu usei uma das coisas de que me lembro ela dizer:"vc não deve ser egoista eu ja quero ir ja vivi tudo que sonhei e ficar pq vc vai sentir falta não é justo comigo"
    Bem vc ainda tem a casa dela pra ir eu acho que o que mais sinto falta é da casa dela e fico sempre triste quando vejo estranhos entrando la,fiz de tudo pra minha mãe compra-la hoje ela se arrepende tb.Eu tinha um sonho de ir la visitar minha mãe com meus filhos sabe continuar nossa historia mas não deu...
    Hoje eu tenho pra me lembrar dela a tesoura enorme que enfeitava a parede do fundo da loja de tecidos dela na minha mesa(sou estilista e modelista)as receitas que ela me ensinou e a saudade...
    Fica tranquilo que vc tem que passar por essa faze e vai ser dificil mas vai tb ser uma purificação de seus sentimentos por ela.E com o tempo vc vai se lembrar cada vez menos dela e quando alguem ou algo te fizer lembrar curte e recorda,mata a saudade ou faz como eu...amanhã é domingo mesmo e como bateu a saudade e minha melhor amiga me deu um cortador de macarrão de presente...vou me lembrar dela de quando tinha meus 9 anos e nem tinha quase força pra misturar o trigo e o ovo...

    Elisa Almeida

    elisa.moda@hotmail.com

    ResponderExcluir